Cercas de arame liso e farpado

Cercas de arame liso e farpado
Assessoria de Comunicação RBA

A RBA Engenharia e Planejamento Ambiental oferece todo o suporte para planejar e construir a cerca de acordo com sua necessidade e realidade territorial.

Existem vários tipos de cercas, a saber: a) cercas de arame farpado; b) cercas de arame liso: c) cercas elétricas; d) cercas de madeira (varas); cercas mistas ou de estacotes (arame e madeira); e) cercas de tela; f) cercas vivas e, ainda, g) cercas de pedras toscas. Vale salientar que o custo de cada cerca varia com o tipo e com o material empregado.

O arame liso pode ser usado da mesma forma que o convencional arame farpado, com até oito fios.

O tipo de cerca pode ser definido por 6 fatores básicos:

Finalidade

Topografia

Condições ambiente

Período de utilização

Estética

Disponibilidade de recursos

a) Finalidade: Toda cerca delimita áreas. Em função do tipo de exploração destas áreas, podem-se ter diversos tipos de cercas.

b) Topografia: A topografia é um dos principais determinantes do tipo de cerca a ser construído e, consequentemente, influi decisivamente para um maior ou menor custo final. Em toda mudança de relevo e direção, deve ser feita uma estrutura de ancoragem (mourão esticador e seus reforços), que irá manter os fios retilíneos e paralelos entre si e ao chão. Esta estrutura de ancoragem constitui-se, por exemplo, na ancora/mão francesa para as cercas campestres ou no palnque para cercas de arame liso. Como trata-se do item mais importante e de maior custo ( principalmente o palanque), deve-se ter considerações especiais sobre este fator no planejamento de uma cerca.

c) Condições ambientais: Levam-se em consideração principalmente as características físicas do solo, em especial textura, condições de drenagem e pedregosidade. Solos muito arenosos ou encharcados não permitem uma boa fixação do mourão devido à dificuldade da compactação. Solos rasos, com afloramento de rochas ou presença de pedras, dificultam muito a construção de cercas, que dependem de maior estabilidade das peças de sustentação e ancoragem, como as cercas de arame liso. Nessas situações, devem-se adotar técnicas construtivas específicas para reforço dos extremos da cerca. As cercas de arame enfarpado podem ser a mais recomendadas.

d) Período de utilização: Em função do tempo estimado de uso, as cercas podem ser definitivas/permanentes ou provisórias/ temporárias (em geral construídas com materiais de menor custo e fácil remoção).

e) Estética: Além dos aspectos de custo e eficiência, o gosto pessoal pode determinar alguns detalhes construtivos, principalmente quanto aos acabamentos.

f) Disponibilidade de recursos: Para buscar o menor custo, deve-se procurar aproveitar os recursos existentes na propriedade. O custo pode ser muito variável, mas em qualquer situação há significativa redução com um maior espaçamento entre as estacas/ lascas e o uso de menos estruturas de ancoragem. O investimento no uso de materiais de alta qualidade e uma boa construção são os fatores mais importantes para uma significativa economia, pela maior vida útil da cerca, menor necessidade de manutenção e melhor eficiência funcional.

Fonte: http://www.arquitetando.xpg.com.br


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *